sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

do jeito que te quis, nunca, nem um dia, vou querer mais. o que há dentro de mim é um vazio e eu já não tenho mais perspectivas utópicas, meu anseio político e revolucionário já adormeceu, minha vida se tornou numa apatia em que tudo está bem, que sempre há o lado bom das coisas ruins. meu coração aprendeu a ter tolerancia, e não sei até que ponto isso é bom. já me encerrei dentro de mim e seu olhar que antes tinha o poder, hoje já não me descerra mais. a catarse que é um sentimento essencial pra o movimento da roda dos mundos particulares, em mim já se tornou pó, já não existem mais lágrimas, não existe mais dor, os poemas já não fazem sentido, meus heróis onde estão? quem os matou? eu mesmo. com minha falta de vontade de lutar contra aquilo que me aniquila, com minha falta de utopia, com a carga de realidade que se instaurou nessas últimas décadas. os jovens envelheceram, os velhos são só lembranças do tempo em que mudavam o mundo, ou pior, são só o esquecimento.

2 comentários:

yara disse...

"Ler-te" foi como deglutir-te em palavras... Súbito descobri este espaço e infiltrei-me. Deparei-me com palavras já esquecidas que trouxeram-me tempos nem tão esquecidos assim. Primórdios de várias vidas e momentos agora colocados com deteminada "dor no lugar certo", talvez!
Foi um prazer "descobrir-te" um tanto mais! Pena não ter descoberto antes...
Assim, pretendo agora acompanhar-te por aqui, se do seu agrado for!
Abraços!!!!

vanessa silva disse...

ter gente desse nível por aqui , é mais que uma honra!