sábado, 12 de julho de 2008

escrevo pois tenho vontade de que minhas palavras sejam as certas. sei que não são. sei que são enfadonhas...sei que gosto de música e de coisas intensas, por mais que não o seja. só de vez enquando, de vez enquandinho...muito raro, na maioria das vezes em que sou intensa, estou só. passa bem rapidinho. tem vezes que tenho vontade de me comer de tanto que me amo. mas só as vezes também. e tem vezes que os pernelongos querem me levar. já pensou que imagem bizarra, não digo bonita, mas imagine a notícia. garota levada por uma nuvem de pernelongos. em minha dispensa isso quase acontece, é assustador acordar naquele quarto, ver que dormi acompanhada daquele monte de seres de fato é assustador. meu rosto estava até ficando deformado...não. isso é exagero. gosto de exageros. ainda não cresci e parece que vai demorar. não tenho vocação para ser intensa. ser intensa é não viver nesse mundo. ser intensa é não ter contas a pagar, é não ter e não tomar pra si responsabilidades. intensidade. palavra feia e um significado tão bonito.

Um comentário:

yara disse...

E quanto a mim... Tento escrever pelo que não digo... E tantas palavras, vez ou outra, não me bastam, me resumem... E pensamentos se esquecem de traduzirem-se. A quantas anda o anverso da escrita? Sem notícias do verso, talvez!
E entre vidas e sobrevidas, cá estou a contemplar o infinito das memórias incontestáveis do "estar nesse mundo" enquanto me perco em em descobertas... Novidades... Desconhecidos.